quinta-feira, 2 de julho de 2009

Pisca-pisca. (até que morre)*

Luminoso de hotel na Avenida São João: Pisca. Sexo da prostituta à espera do cliente na esquina: Pisca-pisca. Meu olhar azul para a vil noite paulistana: pisca (em vermelho). A morena bonita no banco ao lado: olha. (e não pisca). Meu coração: não pisca. O tesão: pisca-pisca-pisca. (e não trisca).
Lembranças da memória. Lembranças do coração – que pisca e não arrisca. A vontade que (não) se foi. A paixão que (não) foi: ainda pisca (e, às vezes, pisca, pisca e pisca).
.................................................................................A vontade.

Confins do sul. Frio de julho. Calor da avó: (como uma linha oscilante) piscam.
Confins do nordeste. Calor de sempre. Fogueira de para sempre: (tal qual a voz de Maria Bethânia me umedece as partes) pisca!
.................................................................A saudade.

Versos de Leminski/a prosa Rosa de Graça. A velha prosa cheia de graça de Érico: PISCA-PISCA-PISCA-PISCA-PISCA-PISCA-PISCA-PISCA.
........A liberdade.

Da minha varanda, farmácia São Paulo: pisca...
...A realidade.

Gente: pisca.
.E não é pra eternidade.


*


(MeggieLetras - que nem sempre piscam)




2 comentários:

Dan disse...

Eternopiscapiscpiscapiscapiscapiscapiscapiscapiscapiscapiscapiscapiscapiscapiscapiscapiscapiscapisca...

E assim vai vivendo e piscando...

_ Mka.. disse...

dorme ... acorda!! pisca e estuda pra prova de metodologiaa.
Pisca, bebe, pisca, dorme, pisca resumo...e pisca se fode !!!